A nova diretoria do Sinditrigo-PR tomou posse na manhã desta sexta-feira com foco nas novas tecnologias e produtos. A gestão 2019/2022, encabeçada pelo empresário Daniel Kümmel, sabe que terá um período de desafios de crescimento do setor e preparou um plano de trabalho que visa atender as demandas do parque moageiro, consolidando a entidade como um braço importante de apoio aos empresários para que possam atender a um mercado exigente, levando à mesa do consumidor produtos cada vez mais elaborados e de alta qualidade.

Kümmel destaca que o setor vê um consumidor em busca, cada vez mais, de produtos com valor agregado. “E os Moinhos Paranaenses são especialistas em ótimos produtos. Temos uma cadeia produtiva completa e trigo da melhor qualidade”, ressalta. Ele lembra que as farinhas de trigo são um universo de possibilidades, levando para a mesa do consumidor pães, massas, bolos, salgados, integrais, biscoitos etc. “Isso é uma responsabilidade enorme”, observa. Foi o cuidado com o cosumidor, em sua opinião, que fez com que os moinhos do Paraná se modernizassem e, hoje, o Estado tem “um parque de ultima geração, totalmente conectado com as novas gerações shoppers”.

Para continuar no ritmo de aprimoramento capaz de acompanhar as mudanças do mercado, o Sinditrigo-PR tem a meta de unir, cada vez mais, a cadeia do trigo. A vice-presidente da entidade, Paloma Venturelli, reforça que é preciso integrar todos os players, desde o produtor, passando pelas cooperativas e moinhos, até os canais de comercialização. “Juntos somos mais fortes”, diz ela.

Visando essa união, a entidade pretende aprimorar ainda mais os eventos denominados “Café do Sinditrigo-PR”, agregando ao encontro a realização de treinamentos, além das palestras já realizadas, informa Paloma.

Ela e Kümmel citam ainda como importante ação para 2020, a realização do Moatrigo, dias 15 e 16 de abril, em Curitiba, com apoio das suas associadas e colaboradoras. “Lançaremos esse novo modelo de evento no formato workshop, que será dedicado ao pessoal de base de moinhos, e vamos abordar temas importantes, como gestão, armazenagem, moagem, origem e regulamentação”, informa Kümmel. O objetivo é atrair diretores, gerentes e supervisores das respectivas áreas dos moinhos de trigo do Paraná.

Para Paloma Venturelli, quando os players sentam para conversar detectam que têm muitas necessidades em comum. “Quando entendemos as demandas de todos, fazemos uma conexão entre elas. Todo mundo quer remar na mesma direção do crescimento, da sustentabilidade, da geração de resultados e de lucros”, comenta.

Ela lembra que muitos moinhos são familiares de pequeno e médio porte e são essas empresas que competem com multinacionais. “Existe uma demanda latente por capacitação. O Sinditrigo-PR continuará sendo – e de forma mais potente – fonte de informação, capacitação e apoio a essas indústrias”.