Os moinhos do Paraná estão bastante atentos às medidas de segurança e colocam em prática normas que visam preservar a saúde de todos os seus colaboradores. “A melhor medida é a prevenção”, alerta o presidente do Sinditrigo-PR e  CEO do Moinho Arapongas, Daniel Kümmel.

No Moinho Arapongas,  Kümmel informa que foram tomadas medidas pontuais que ajudem  todos a adotarem uma nova postura de contato com as pessoas, tais como: disponibilidade de álcool gel em todos os pontos da empresa para uso à vontade; avisos para que todos lavem as mãos diversas vezes ao dia, abusando da água e sabão; e  para que todos os ambientes permaneçam abertos, deixando o vento fluir. “Também reduzimos o número de viagens para funcionários; o acesso à empresa está restrito a funcionários e serviços contratados;  e as reuniões com terceiros serão feitas por meios eletrônicos, além de pedirmos a todos que evitem cumprimentos com apertos de mão ou beijos na face “, acrescenta o CEO.

Viagens suspensas

No Moinho Globo,  foi criado um comitê para  coordenar as ações referentes à prevenção. Os funcionários que apresentem sintomas de gripe ou resfriado estão sendo dispensados e orientados a ficar em casa, saindo para buscar ajuda médica apenas se observados sintomas específicos do Coronavírus, conforme instrução das autoridades de saúde.

Estão canceladas as viagens de trabalho e toda a agenda dos gerentes de vendas em visitas externas. “A orientação é que o  trabalho deste grupo ocorra a partir de agora em home office e com reuniões e contatos  via telefone, aplicativos de mensagens  e videoconferências”, explica a vice-presidente Paloma Venturelli.

Na área administrativa, os líderes dos diversos setores  estão orientados  também a autorizar o trabalho dos colaboradores em home office, à medida que isso seja possível conforme as características de  cada função. No caso de reuniões e treinamentos internos, o número máximo de participantes não pode ser maior que 10  pessoas.

Assim como no Moinho Arapongas,  também no Globo estão suspensas as visitas  nas áreas  administrativa e de produção, incluindo representantes de empresas prestadoras de serviços fornecedores, terceiros não fixos e  outros. Os colaboradores que estejam voltando de férias e tenham viajado deverão permanecer em casa pelo período preconizado de 14 dias.   A empresa colocou  ainda álcool gel à disposição de todos os colaboradores.

  

Bem-estar dos colaboradores e comunidade

 No Moinho do Nordeste, com unidades no Paraná e Rio Grande do Sul, os cuidados também estão redobrados e com muita disseminação de informações. Os colaboradores estão orientados a cuidar da limpeza e higienização do ambiente de trabalho. Foram adotadas medidas como trabalho remoto para pessoas em cargo administrativo ou que pertencem ao grupo de risco; limitação de viagens de trabalho e realização de reuniões presenciais, priorizando o uso de recursos virtuais; identificação e afastamento de funcionários com sintomas gripais ou viagens recentes; reforço das práticas de segurança do alimento e higiene pessoal entre todos os funcionários, especialmente, nos setores fabris.

As orientações e cuidados são estendidos visando à segurança e higiene da comunidade vizinha às unidades da empresa. Entre as medias adotadas estão a colaboração com imprensa e governos locais; e limitação da circulação de pessoal externo.

No relacionamento com clientes e parceiros, o Moinho do Nordeste decidiu pelo adiamento de cursos, treinamentos e outras atividades que comprometam as regras de distanciamento social impostas pelas instituições de saúde; priorização de atendimento à distância sempre que possível; central de atendimento funcionando das 7h30 às 18h, de segunda a sexta, no telefone, e-mail, whatsapp, site e redes sociais; disponibilização de recursos para higiene pessoal e orientação sanitária para fornecedores e motoristas que circularão pelas dependências da empresa.

O diretor presidente do moinho, Valdomiro Bocchese da Cunha, informa que todas as medidas têm validade até, pelo menos, final de março. “Nossas unidades de produção seguem operando normalmente, estando aptas para o abastecimento pleno e contínuo do mercado. Para evitar que os efeitos do vírus aconteçam em nosso meio, e sempre pensando no bem-estar dos nossos colaboradores, parceiros e clientes adotamos as medidas de proteção, de acordo com as orientações do Ministério da Saúde”, comenta.

Férias e home office

No Moinho Régio, foi constituído um grupo com membros das duas unidades industriais, localizadas em Cascavel e Cuiabá, e também da unidade comercial de Anápolis, que tem a função de avaliar, diariamente, as ações a serem adotadas e os reflexos que o Coronavírus está provocando no mercado.

“Nossa principal preocupação é com a saúde do colaborador e da comunidade, mas também estamos preocupados com a saúde da empresa, em dar continuidade às atividades, fornecendo alimentos e suprindo o mercado”, comenta o diretor em Cascavel, Bernardo Badotti.

Ele informa que foram reforçadas as ações de limpeza e higienização das áreas comuns, alterados o fluxo e horários da alimentação nos refeitórios, identificados os que fazem parte dos grupos de risco e procurando trabalhar com afastamento, antecipação de férias ou home office nos cargos em que isso seja possível.

Impacto nos preços

Bernardo ressalta, porém, que também há uma grande preocupação com os custos dos moinhos, que subiram muito em decorrência da alta do dólar. “Isso tem refletido demais nos custos da empresa e, consequentemente, nos preços de venda”.

Outro aspecto destacado por Bernardo é em relação à função que a indústria de alimentos tem e que é preciso assegurar as condições para que continuem funcionando.