“As temperaturas mínimas do último sábado e domingo não deixam dúvidas: teremos perdas na produção de trigo no estado. Fica a pergunta: Quanto?” O questionamento é do coordenador da Divisão de Trigo do Departamento de Economia Rural da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Paraná, Carlos Hugo Godinho.

Segundo ele, o Norte do estado foi poupado dessas geadas, o que é um alento. No Oeste e Centro Oeste, as geadas foram moderadas, e já devem gerar prejuízos, ainda que mais localizados. O Sudoeste, com as geadas mais intensas encontrando muitas lavouras em fases suscetíveis, deve ser a região mais prejudicada. Por fim, a região Centro-Sul e Sul, apesar de registros de frio mais intenso, tem poucas lavouras suscetíveis, e também deve ter apenas registros pontuais de problemas.

“Em geral, estima-se que aproximadamente um terço das áreas de trigo do estado, que estão em floração ou enchendo os grãos, tiveram registro de temperaturas próximas de 0°C, e podem apresentar problemas que serão melhor avaliados em 10 dias”, estima.

O analista da T&F Agronômica Luiz Carlos Pacheco também avalia que houve estragos no trigo do Paraná e do Paraguai, importante fornecedor de trigo para o Estado. “A avaliação mais precisa só sairá dentro de alguns dias. Mas, houve, sim, danos”, comenta.