O mundo caminha a passos largos rumo à automação e digitalização, realidade que a indústria moageira não pode ficar de fora. A necessidade e vantagens de aderir à era 4.0 foram abordadas por Beat Weilenmann, diretor de vendas de Moagem da Bühler, na última edição do Moatrigo Meeting.

Se por um lado a pandemia da Covid-19 tem afastado as pessoas, por outro, o mundo digital e suas aplicações têm se desenvolvido rapidamente. Beat iniciou sua participação citando Jack Welch, CEO da General Eletric durante muitos anos e conhecido no mundo dos negócios por suas habilidades como gestor. “Ele falou uma vez: Vocês não podem fazer o trabalho de hoje com os métodos de ontem se pretendem estar no mercado amanhã”.

A colocação de Welch inspirou a pergunta: Como a digitalização vai ajudar a otimizar a rentabilidade dos moinhos? Numa linha do tempo, Beat lembrou da evolução dos moinhos desde sua criação, há cerca de seis mil anos: da pedra ao rolo, de um moinho colonial a uma indústria de moagem; de trabalho manual à indústria automatizada.

Os moinhos vêm avançando em automação, que é a base da digitalização, nos últimos 40 anos, lembra Beat. Com a base instalada, é hora de avançar na digitalização. “Por que é inevitável participar desse mundo digital?”- provoca Beat . Segundo ele, são vários os motivos, começando pelos clientes que estão, cada vez, mais exigentes e querem saber a origem dos produtos que compram nas prateleiras. Para disponibilizar todas as informações, a única forma é a digital, por meio de QR Code.

Outro motivo apontado por Beat é que o mundo é digital; os jovens de hoje pensam e trabalham de forma diferente e, se a indústria pretende capturar e reter talentos, precisa oferecer um ambiente moderno de trabalho. E ainda, é preciso procurar formas sustentáveis para utilização de recursos como energia, resíduos e água. “Isso não se consegue sozinho”, comenta. E cita que a melhor forma é a colaborativa, objetivo alcançado quando todas as informações estão em plataforma digital, podendo ser consultadas e ajustadas por todos em tempo real.

Ele ainda mencionou que o mundo digital traz vantagens específicas para a indústria, como segurança de dados e de trabalho. “Com as informações disponíveis em tempo real, consegue-se reduzir custos em manutenção, trocando peças, por exemplo, quando necessário e não quando vence as horas. “Uma máquina parada não consegue dar retorno aos investidores. Faz-se menos paradas quando se controla e sabe os motivos das paradas, podendo agir para reduzi-las”, comentou.

Beat dividiu o tempo do último Moatrigo Meeting com Ricardo Mori, gerente de Aplicação da Prozyn, que apresentou as soluções da empresa para dar maior qualidade ao trigo utilizado nas moageiras.

A íntegra da palestra dos dois especialistas está disponível no canal do YouTube do Moatrigo Meeting. Acesse o link https://www.youtube.com/watch?v=g-lwYLf4vHk e saiba mais.