Pela primeira vez, uma moageira paranaense chega à fase final do cobiçado prêmio Fi Innovation Awards; hoje considerado o maior prêmio de inovação do setor de alimentos. A Moageira Irati está concorrendo com outras quatro finalistas e o resultado será conhecido na terça-feira, dia 24, com transmissão on-line a partir das 17 horas.

O Fi Awards é focado em inovação, incentivando e reconhecendo fabricantes de ingredientes, alimentos e bebidas pelas inovações trazidas para a indústria e para o consumidor final.

A Irati se inscreveu na categoria Ingrediente Inovador, com o Projeto Trigo de Origem, que resultou na farinha Irati Trigo de Origem, própria para a fabricação de pão artesanal. O diretor Comercial e de Marketing da Moageira, André Machado, destaca que a premiação é muito séria, bastante aguardada e tem como diferencial congregar todo o setor de alimentos. A premiação é realizada em vários países e os concorrentes, normalmente, possuem operações globais. A Moageira Irati opera em território nacional e é a única da cadeia do trigo a estar na final. A premiação é realizada em duas categorias: Ingredientes e Produtos.

Na penúltima fase da premiação, 19 ingredientes foram selecionados na categoria Ingredientes, e cinco concorrem ao grande prêmio. Na categoria Produto, também cinco estão na final. “Estamos muito felizes por estar na final. A farinha de trigo está inserida em um setor muito tradicional, mas provamos que é possível inovar”, comenta Machado.

O projeto

O projeto Trigo de Origem nasceu para atender a uma tendência do mercado, que se mostra crescente: a do pão artesanal com alta hidratação e longa fermentação. Machado explica que os profissionais que vinham se dedicando a esse nicho de mercado – normalmente pessoas com alto grau de informação – se especializaram na França ou Estados Unidos, mais especificamente, São Francisco.

 

 

“Eles aprenderam a produzir com farinhas especiais e com alta performance. Quando esses profissionais voltaram não conseguiam reproduzir o mesmo resultado com as farinhas locais e começaram a importar o produto da França, Itália e EUA”, contextualiza. Mesmo com a farinha importada, devido ao longo período em translado, o resultado que alcançavam não era o mesmo do obtido quando trabalhavam com pão artesanal no exterior.

Observando essa tendência, a Moageira Irati deu o pontapé num projeto que já vinha sendo amadurecido há alguns anos: o Trigo de Origem, que envolve uma grande aproximação desde a pesquisa, passando pela sementeira, produtor e padeiros – os quais experimentaram e validaram o produto. Um feedback importante trazido pelos padeiros, segundo Machado, foi a presença de notas sensoriais diferenciadas de sabor, de grãos cultivados no território Brasileiro, o que não era possível com a farinha importada, devido ao desgaste natural que ocorre no trajeto.

“A Moageira Irati implantou uma das importantes etapas, que foi a segregação de trigo. A farinha Irati Trigo de Origem é uma inovação colaborativa ao juntar todos os elos da cadeia para olhar para o mesmo objetivo. Agora todos são protagonistas”, comenta Machado. Ele ressaltou que a meta do projeto não era fazer uma farinha próxima à qualidade da importada e sim uma igual ou melhor.

O produto atual é dedicado à produção de pão artesanal de longa hidratação e fermentação, mas a Moageira já trabalha no novo portfólio: Viennoiserie, pizzas artesanais e grãos rústicos serão as aplicações atendidas em breve.

Machado ainda informa que a Irati Trigo de Origem é a única farinha do país a inovar também na embalagem ao introduzir o QR Code na embalagem final, por meio do qual profissionais e consumidores podem ter acesso a todos os laudos técnicos do produto e também saber sua origem desde a produção da semente.

O cadastro para quem quiser acompanhar a premiação, na terça-feira, dia 24, pode ser feito pelo endereço eletrônico: https://fisaexperience.com.br