Assunto foi debatido durante a primeira edição do Moatrigo Meeting 2021, realizada
pelo Sinditrigo|PR virtualmente na última terça-feira (13)

O primeiro trimestre de 2021 se mostrou desafiador para o setor trigo. Com cenário de recessão econômica, queda do poder de consumo da população e dificuldades de crédito, manter a rentabilidade das empresas tem exigido estratégias de mercado aos moinhos. Entretanto, o que se mostra a médio e longo prazo é um contexto de oportunidades, no qual entender as demandas do novo consumidor é a chave para o aproveitar o momento, conforme defenderam os palestrantes da primeira edição do Moatrigo Meeting 2021, realizado virtualmente pelo Sinditrigo|PR na última terça-feira (13).

De acordo com o Presidente do Conselho Deliberativo da Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo), João Carlos Veríssimo, essas alterações de hábitos de consumo são importantes “para a mudança no mix de produtos, com soluções novas, diferenciadas, com maior valor agregado, que ajudam os moinhos. Isso também nos faz investir em mais pesquisa e desenvolvimento e em novos canais de distribuição”, afirmou em sua apresentação “Perspectivas do setor moageiro e seus desafios”, mediada pelo Presidente do sindicato, Daniel Kümmel.

Entre as principais exigências desse consumidor, o CEO da Romanus Food Solutions, André Luiz Romano, destacou a preocupação, cada vez maior, com a alimentação saudável, conforme dados do relatório da empresa Mintel, apresentado em sua palestra “Pandemia Covid-19: Dificuldade ou Oportunidade? Oportunidade!!”. “As pessoas estão mais preocupadas hoje em dia com a saúde, e muitas delas estão consultando os ingredientes dos rótulos”, explicou o empresário.

Sobre a análise atual do mercado, Veríssimo ainda reforçou que, pelo mundo estar passando por um momento atípico, essa avaliação é mais complexa. “Não é fácil ler o mercado no momento em que você tem uma pandemia, que é um momento de exceção. Você tem diversas mudanças de hábito de consumo, fatores exógenos, externos às empresas, que dificultam um pouco a leitura”, frisou.

Impactos da pandemia

Com consequências específicas causadas pela pandemia da Covid-19, como o aumento do trabalho home office, o crescimento do delivery e a valorização dos hábitos saudáveis, as empresas têm se adaptado a essa realidade. O que também apresenta novas formas de atuar para o setor. “É possível trazer para o mercado do trigo um apelo saudável e sustentável, sintonizado não só com o mercado atual, mas com esse mercado que está se modificando e está cada vez mais exigente sobre alimentação”, disse o CEO da Romanus Food Solutions.

Em sua palestra, Romano apontou algumas dicas de como é possível aproveitar o momento para atender a essas expectativas. Confira:

● Olhar para o consumidor que procura empatia e indulgência;

●Reformular oferta de produtos através de inovações voltadas aos novos hábitos de consumo, com pequenas porções, que tragam conveniência e sejam nutritivas;

● Buscar atender ao consumidor de farinha com produtos que promovam saúde e sabor natural;

● Compartilhamento de know-how e linhas de produções;

● Trazer funcionalidade aos produtos derivados do trigo;

● Buscar saudabilidade e sustentabilidade como forma de melhorar a rentabilidade dos negócios de maneira consciente voltada para a sobrevivência das gerações futuras.

O aperfeiçoamento tecnológico também se mostra como um caminho importante para o setor, conforme ressaltou Veríssimo, da Abitrigo, durante o encontro. “Nós fizemos uma pesquisa recente de moagem, que mostra que, tirando a região Centro-Oeste, os moinhos estão usando em torno de 70% da capacidade de moagem na média, principalmente entre os associados e não associados que responderam a pesquisa. Ou seja, na medida em que o mercado esteja crescendo, e que tenham essas mudanças no hábito de consumo, o investimento vai ter que ser em tecnologia no moinho, para que seja possível reduzir custos, aumentar a produtividade, e desenvolver produtos novos”, disse.

Demais temas

Além das formas de aproveitar o novo cenário que se apresenta, outros debates estiveram em pauta durante a primeira edição do Moatrigo Meeting 2021. A ascensão do atacarejo também ganhou destaque. Para o Presidente do Conselho Deliberativo da Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo), João Carlos Veríssimo, este é um modelo de varejo que veio para ficar. “Estamos em uma fase de transição, vamos ter que um dia conviver com os dois sistemas. Estamos em uma fase de transição que não é fácil”, pontuou. “Agora é realidade do nosso negócio, temos que ver quais são os outros canais de distribuição e fazer o equilíbrio com o atacarejo”, complementou o Presidente.

Ainda em sua participação, Veríssimo destacou a importância da busca pela autossuficiência brasileira na produção de trigo. “O ponto mais importante aqui é a segurança alimentar. A Abitrigo tem como bandeira fazer com que o Brasil tenha segurança alimentar em todos os grãos, principalmente o trigo que é nosso papel. Desenvolver em regiões que tenhamos como suprir esses 6,5 a 7 milhões de toneladas que são importadas todos os anos, gerar mais renda no Brasil, segurança alimentar e ajudar na balança comercial do país. Mas é um trabalho de longuíssimo prazo”, ressaltou.

Segunda edição

Ao final do evento, o Presidente do Sinditrigo|PR, Daniel Kümmel, confirmou a próxima edição do encontro para 11 de maio (terça-feira), também às 10h, com transmissão ao vivo pelo Youtube. Na ocasião, o Moatrigo terá apresentações do presidente executivo da Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados (Abimapi), Claudio Zanão, e da empresa Bühler. Para acessar a primeira edição deste ano, clique aqui.